Os Profetas

Tempo de leitura: 3 minutos

E a um eclipse do sol sucederá o mais escuro e o mais tenebroso verão que jamais existiu desde a criação até a paixão e morte de Jesus Cristo, e de lá até esse dia, e isto se dará no mês de Outubro, quando uma grande translação se produzirá, de tal modo que julgarão a Terra fora da órbita e abismada em trevas eternas.”
                                                                                                       NOSTRADAMUS

Esse trecho é extraído da carta a Henrique II, Rei da França, escrita por Michel de Nostredame em 14 de Março de 1557, e traz uma das suas mais famosas profecias. O caráter misterioso e enigmático de suas previsões fez dele o mais estudado dos profetas, e foi sua maior publicidade. Sua competência foi provada por muitos fatos que se realizaram.
No entanto a complexidade de suas centúrias, os anagramas e nomes astrológicos, além de absoluta desordem cronológica tornam-no impossível de interpretar, os que o fazem se valem mais de deduções pessoais, é o profeta que se compreende após o fato acontecer.

Profecias são atraentes, quem não gostaria de saber o que acontecerá no futuro. Eu vivi grande parte minha vida no século XX e a data final foi marcada em 1999 (mencionada numericamente e explicitamente por Nostradamus na Centúria X:72). A data passou e nada aconteceu. E então?
Um erro? Um truque numérico?
Como bom cristão, espírita e pesquisador do tema entendo hoje que profecias devem ser estudadas, mas não reverenciadas. O antigo testamento faz honrosa menção aos profetas de Israel e seus livros fazem parte do Cânone, o Apocalipse também está entre os livros bíblicos e sabe-se que Jesus também profetizou. Paulo de Tarso em suas cartas dá importância ao dom de profetizar (1COR 1:12).
Todo estudo que fiz converge para uma pergunta crucial: Qual o sentido de uma profecia existir? Existem dois a meu ver.
Profecias existem para advertir os homens dos caminhos tortuosos que eles deverão evitar por uso do seu livre arbítrio, mostrando as consequências naturais de suas más decisões.
Mas também existem para encorajar e alegrar os homens com as venturas gloriosas que virão, pelo uso de seu livre arbítrio, frutos de suas sábias decisões.
Em muitas profecias existe um fim trágico, doloroso e assustador. Essas profecias existem para que não se cumpram.
Em outras, tal qual aquela que previu a vinda do Messias em tempos antigos, foram bálsamo de esperança nos corações, cujo cumprimento se traduziu em alegria eterna aos homens na terra.

Em termos de humanidade, o vínculo constante com Deus, o uso da oração e o exercício do perdão criará a atmosfera espiritual para que o homem toma decisões corretas no futuro e evite consequências indesejáveis.
Já estamos nesse caminho pelo trabalho incessante de Jesus.
1999 passou e nada aconteceu. Graças a Deus!
O futuro, entretanto, ainda nos reserva grandes desafios.

OUTROS PROFETAS

Entre os bíblicos, Daniel merece especial atenção, ele tinha visões e interpretava sonhos, era um homem de grande fé. Outros profetas como São João Bosco, Cura D’Ars, São Malaquias, Edgard Cayce, São João Evangelista, Chico Xavier também precisam ser considerados, e também as profecias dos povos do Tibet, dos Maias, das pirâmides.
Recentemente como pode ser visto neste documentário, Francisco Cândido Xavier também fez importantes profecias sobre o futuro da humanidade, vale a pena ver.

datalimite

Em outro post retomaremos esse tema que é bem amplo.

Um abraço a todos!

Deixe uma resposta